Coriolis, Movimento
para a Sustentabilidade

Projeto promovido pela Instável em parceria com a Rede Inducar, que se realiza entre setembro de 2020 e abril de 2022. Inspirado na “força” Coriolis, que atua e se difunde simultaneamente em múltiplas direções, o projeto visa melhorar a capacidade interna de um conjunto de organizações culturais, ao mesmo tempo que as aproxima entre si, incentiva à colaboração e trabalha a capacidade de atuação em conjunto. Pretende desenvolver hábitos de colaboração e de co-responsabilização pelo setor, pelo território e comunidades.

É um projeto financiado pelo mecanismo EEA – Grants, gerido em Portugal pelo Consórcio Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Bissaya Barreto. Integra-se no eixo 4 do Programa Cidadãos Ativ@s e pretende promover a capacidade e a sustentabilidade da sociedade civil.é um projeto financiado pelo mecanismo EEA – Grants, gerido em Portugal pelo Consórcio Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Bissaya Barreto. Integra-se no eixo 4 do Programa Cidadãos Ativ@s e pretende promover a capacidade e a sustentabilidade da sociedade civil.

coriolis

Estrutura do projeto

O projeto inicia com um estudo de caraterização do setor e diagnóstico de necessidades, conduzido por uma entidade externa. Ao longo dos meses seguintes, procura melhorar as necessidades identificadas, através de um conjunto diversificado de atividades, que no seu conjunto pretende: 1) a atualização de competências dos profissionais, nomeadamente diretores, gestores, produtores, responsáveis de comunicação; 2) o desenvolvimento e implementação de melhores procedimentos de trabalho; 3) o incentivo da colaboração entre pares enquanto hábito; 4) a valorização e coesão do setor, com reforço da sua capacidade negocial.

âmbito de organização

É um programa de formação teórico-prático composto por 14 módulos dedicados a temas de gestão organizacional, identificados como necessidades através do estudo de caraterização do setor. Cada módulo, de 13 horas (8h/10h de formação Síncrona e 5h/3h de formação assíncrona), será conduzido por especialistas convidados. O programa de formação pretende apoiar os profissionais das artes performativas a desenvolverem e implementarem melhores instrumentos e procedimentos de trabalho.

Assenta num programa de 15 sessões de natureza diferentes, facilitadas pela Rede Inducar. Irão combinar-se sessões de auscultação, de aproximação, de partilha de conhecimentos entre pares, de mentoria/laboratório de projeto. Será também apoiada a criação de novos projetos em colaboração que possibilitem a melhoria do setor e/ou suscitem formas criativas de o entender e o fazer dialogar entre si e com o território.

Porquê

Num tempo em que diferentes esferas das nossas sociedades são atravessadas por um paradigma de incerteza, e em que somos convidados a refletir e a adaptar as nossas práticas individuais e coletivas por tempo indeterminado, os agentes culturais lutam para continuar a desenvolver o seu trabalho e a manter espaços e diálogos criativos com os seus meios e públicos. Perante a maior vulnerabilidade, face à necessidade de adequação de processos de trabalho, de criação, de apresentação e de envolvimento de públicos e à dificuldade de angariação de coprodutores e recursos financeiros, desenhamos um programa que, no seu conjunto, pretende aumentar a capacidade do setor cultural artístico local, valorizar os conhecimentos específicos de cada organização, promover a aprendizagem partilhada e criar de uma rede de colaboração e partilha de bens, materiais e imateriais.

Inscrições (até 8 janeiro 2021)

Informação e contato

Catarina Serrazina